FLACSI

Idioma:
Síguenos Facebook YouTube

Bolivia / Chile / Peru: “Formadores para a Paz”

Publicado el jueves 16 de abril, 2015

headerProfessores da Bolívia, Chile e Peru participam do projeto “Formadores para a Paz”, que reúne professores desses três países e, principalmente, o nossos colégios: Cristo Rey (Tacna), San José (Arequipa), San Calixto (La Paz), San Ignacio (La Paz), San Luis (Antofagasta) e escolas da rede Fe y Alegría, de Tacna, El Alto e La Paz. O objetivo central é a educação dos valores necessários para construir relações justas entre os povos e uma nova cultura de paz na região.

O Coordenador da Missão Jesuíta Triplo Frontera (Chile – Peru-Bolívia) Cristián Rodríguez, SJ, que chama os jesuítas e colaboradores das três comunidades fronteiriças leigos: Arica (Chile), Tacna (Peru) e El Alto ( Bolívia) nos contar sobre o projeto “Formadores para a Paz”:

Há uma necessidade urgente para a transmissão de valores para uma Cultura de Paz

P1000611“A fronteira entre o Chile, Peru e Bolívia, é um lugar de contrastes. Por um lado, nós compartilhamos uma história de amizade desde o tempo de nossos povos, que viviam nesta região e que partilham a rica diversidade cultural. Ao mesmo tempo, hoje, as nossas fronteiras têm um dinamismo que talvez nunca antes visto. O intercâmbio entre os nossos países, certamente tem favorecido uma forma ampla e diversificada de vida do nosso povo. Esta troca não se limita ao aspecto econômico mas também ocorre a partir do encontro todos os dias e enriquecedora de nossas culturas.

Mas, por outro lado, em nossas fronteiras muros de inimizade, o ódio ea discriminação são levantadas. Barreiras que são impregnadas com preconceito e nacionalismo, que brotam de nossas feridas do passado, ainda não somos capazes de curar totalmente. Traumas que são realizadas nos mitos do século XIX que construíram a identidade de nossas nações, e novamente sempre que temos um conflito ou diferença entre os nossos países aparecem.

Para aqueles que estão nos originários da região da tríplice fronteira, somos surpreendidos esta estranha relação entre preconceito e amizade entre mito e realidade, entre o conflito ea necessidade mútua. Talvez, como sempre, tenho testemunhado a dicotomia entre o encontro fraterno cotidiana entre os nossos povos e ferida não cicatrizada subjacente, cheio de desconfiança, a discriminação mútua e maus-tratos.

2

O que devemos fazer para reconhecer que vivemos intimamente interligados, apesar de preconceitos nos fazem fantasiar e acredito que vivemos com o inimigo? O que é o caminho a percorrer para dar sincera com a nossa realidade e perceber, na prática, é muito mais que nos une do que nos divide ideologicamente? Se temos transmitido mitos cheios de nacionalismo e ressentimento do passado que têm claramente promovidas desconfiança e divisão em nossa região e entre os nossos povos irmãos o que é que estamos dispostos a transmitir às gerações futuras? Estamos dispostos a continuar semeando ódio e animosidade entre nós? Estamos dispostos a permanecer em silêncio e silenciamento, que na prática são povos mutuamente fraternos nós precisamos para o desenvolvimento pleno e integral de nossas culturas e para quebrar a dinâmica da pobreza que escraviza nosso povo? Estamos dispostos a decidir mudar uma história de inimizade por uma relação fraterna, justa e respeitosa encontro entre nossas culturas?

destacada

Foto em destaque

Hoje temos a oportunidade de fazer os nossos pontos de fronteira de encontro, diálogo e da unidade. Uma vez que uma nova compreensão do que entendemos como fronteira e como olhamos para os nossos vizinhos, ele abre a possibilidade de uma relação justa entre nós e, portanto, estamos também abre o caminho para que juntos superar a desigualdade e a pobreza afeta nossos países; e, portanto, também propício para construir uma cultura de paz para as nossas relações fraternas região.

Este encontro dinâmico e colaboração seria um novo olhar para a fronteira, uma nova abordagem para os nossos relacionamentos e com foco na transmissão de valores para construir uma cultura de justiça e de esforço de paz. Em nossas mãos está o desafio de transmitir às gerações futuras, através de uma reflexão profunda, do diálogo fraterno e testemunho coerente, os valores que excedem nossas suspeitas e preconceitos, para dar a reunião e unidade entre nós.

1

No entanto, para alcançar relações mais justas entre os povos, a transmissão de valores não é suficiente, eles também são necessários, gestos concretos que são reflexos desse novo olhar. Como Santo Inácio de Loyola em No. 230 do retiro: “O amor é colocar mais em obras do que em palavras”. Portanto, a transmissão de valores para uma cultura de paz, é, portanto, se atrevem a enfrentar o desafio de construir uma relação renovada entre nossas nações, realizada em um discurso mais moderno, mas também fundada em fatos que promovem encontro fraterno e direito do nosso povo.

Nesse sentido, o ensino de valores, pode ser talvez uma das ferramentas mais poderosas para começar a gerar a instalação de novos olhares para as gerações vindouras e consolidação de testemunhos concretos de amizade entre nós. Então, inspirado na Boa Nova de Jesus, os jesuítas presentes em todos os três países, compromete-se o desafio de levar a nossa fronteira como um lugar de missão; e colaboração com outros, tais como a forma de testemunhar que a fronteira é um lugar de encontro e não de divisão, é uma oportunidade de desenvolvimento, não de confronto, é um desafio da justiça e da paz e não da marginalização.

3

A partir deste desejo, a importância do papel dos professores na nossa tríplice fronteira Chile, Peru e Bolívia compreendido. Daí a novidade e desafio do nosso projeto “Formadores para a Paz”, especialmente nos valores de transmissão e educação necessários para construir relações justas entre os nossos povos e de uma nova cultura de paz em nossa região. Daí surgem nossa fronteira diálogos, os nossos sonhos de paz e compreensão da urgência de uma justa relação entre os nossos povos, que não pode esperar.

Cristian Rodriguez, SJ.

Coordenador da Missão Jesuíta Triplo Frontera (Chile – Peru-Bolívia)