FLACSI

Idioma:
Síguenos Facebook YouTube

Campanha pela Hospitalidade: “¡As pessoas primeiro!”

Publicado el Viernes 19 de Junio, 2015

headerNo dia 20 de junho celebrou o Dia Internacional dos Refugiados, dia especial para a Campanha pela Hospitalidade, uma iniciativa da Rede Jesuíta com Migrantes, empenhada em difundir a cultura de aceitação nas sociedades latino-americanas, em particular com os migrantes detidos, refugiados ou deslocados.

Neste contexto, a campanha convidou todas as obras da Companhia de Jesus para fazer parte deste dia e de fazer eco das muitas situações de mobilidade forçada a ter lugar em nosso continente e apela a colocar as pessoas em primeiro lugar, reconhecendo sua dignidade e suprir as suas necessidades em conformidade com os direitos humanos e os acordos internacionais em matéria de refugiados e as pessoas deslocadas. Nossa região está passando por profundas mudanças sociais e políticas que reconfiguram as causas do deslocamento forçado e requerem uma atenção renovada e ação.

Nós convidamos você a ler a declaração na versão PDF aqui (só em espanhol)

6 2

Nós visualizamos algumas das muitas situações de ameaça latente ou aberta que muitas pessoas vivem no continente:

Apesar dos progressos no processo de paz na Colômbia as violações dos direitos humanos e do direito internacional humanitário não cessa.

Na fronteira colombiana-venezuelana o repatriamento maciço de colombianos da Venezuela mostrar violações por parte das autoridades de ambos os países.

O estado cada vez menos reconhecido o estatuto de refugiado. Na última década, mais de 250.000 pessoas, a maioria cidadãos colombianos, fugiram seus países para o Equador. Este país tem o maior número de refugiados reconhecidos na América Latina.

4 2

Na América Central, e especialmente no Triângulo Norte (Guatemala, Honduras e El Salvador), a diferença entre os migrantes económicos e os refugiados é cada vez mais ténue, devido à propagação da violência profundo na área, como razões económicas ea reunificação é adicionada família como uma razão para deixar o país.

Os quadros legais e institucionais do México e dos Estados Unidos não reconhece o direito de asilo e refúgio para as pessoas que fogem da violência generalizada.

Em pouco mais de uma década Chile mais do que dobrou o número de residentes estrangeiros, sem contar com as pessoas que estão em situação irregular.

Web

Infelizmente, o Estado do Chile não está tomando compromissos internacionais ratificados ea fronteira chileno-peruana de 90% dos pedidos de asilo são rejeitadas.

Feche as fronteiras acaba gerando o tráfego de rede, o tráfico, aumentando sua vulnerabilidade.

“Nós pedimos que os Estados ativamente cumprir os seus deveres de protecção aos refugiados e pessoas deslocadas, incentivar medidas destinadas a promover a integração social através da promoção de uma cultura de hospitalidade, paz e reconciliação.

Por isso afirmamos que a dignidade das pessoas deve estar em primeiro lugar e que as políticas e atitudes de hospitalidade são a melhor garantia de protecção dos refugiados e pessoas deslocadas “, explicou desde a Campanha pela Hospitalidade.

Em 20 de junho, e sempre colocar as pessoas em primeiro lugar!

Fonte:Campanha pela Hospitalidade