FLACSI

Idioma:
Síguenos Facebook YouTube

São Pedro Fabro, o primeiro companheiro de Santo Inácio: “Pastor ao serviço das pessoas”

Publicado el lunes 20 de julio, 2015

headerPedro Fabro (Pierre Favre) foi um dos primeiros companheiros de Inácio de Loyola e o primeiro sacerdote da Companhia de Jesus. Ele nasceu em Alta-Sabóia (França) em 1506 e morreu em Roma (Itália) em 1546, a caminho para participar do Concílio de Trento. Em setembro de 1872 foi beatificado pelo Papa Pio IX e nomeado Santo em 17 de dezembro de 2013 pelo Papa Francisco. Sua festa é celebrada em 2 de agosto.

1Filho de pastores de Sabóia, a sua grande capacidade intelectual e desejo de estudar o levou a Paris, onde se familiarizou com Francisco Xavier e Santo Inácio de Loyola, com quem compartilhou um quarto. Ignacio ajudou a superar suas dúvidas e crescer espiritualmente. Ordenado em 1534, ele pertence ao grupo dos seis primeiros companheiros de Inácio nesse mesmo ano em Montmartre tomar votos de pobreza, castidade e trabalhar na Terra Santa.

Caráter tímido, ele reconhece uma grande capacidade de consolar e incentivar, e é considerado um verdadeiro mestre nos exercícios espirituais, a ponto de Ignacio foi o melhor na direção dos exercícios. Era um jesuíta exemplar no seu tempo, um dos mais brilhantes intelectualmente e, ao mesmo tempo humilde e disposto a servir e ajudar os outros.

Um trabalhador incansável, ao longo de seus 40 anos de vida, a sua actividade foi intensa e percorreu grande parte da Europa responder às missões a que foi enviada: Professor de Teologia e Sagrada Escritura em Roma, em Worms e Regensburg, participaram da diálogo entre católicos e protestantes foi assistente núncio papal na Alemanha e professor da Universidade de Mainz e trabalhou para a extensão dos jesuítas na Alemanha, Países Baixos e Espanha.

4

Fabro é considerado um precursor do ecumenismo para a maneira como ele enfrentou uma época em que a Igreja sofreu grandes desafios e disputas doutrinais. Seu testemunho é o de uma verdadeira “contemplativo na ação” por sua incansável atividade e sua grande capacidade de comunicação espiritual com as pessoas. Isso se reflete em seu memorial ou Diário Espiritual, escrito principalmente entre 1541 e 1545, e na coleta de suas experiências.

Proclamado Santo

Em 17 de dezembro de 2013 o Papa proclamou santo Francis em uma canonização Pedro Fabro chamado de “equivalente”, na qual o Papa, pela autoridade dentro de sua jurisdição se estende para o culto da igreja universal e celebração litúrgica de um santo, uma vez que certas condições estabelecidas pelo Papa Bento XIV (1675-1758) são verificados. Esta prática já foi usado pelo Papa Francis para a canonização do Beato Angela de Foligno, e seu predecessor, o Papa João Paulo II, João XXIII e outros.

1

La tarde de diciembre, el Papa Francisco recibió en audiencia privada al Cardenal Angelo Amato, S. D. B., prefecto de la Congregación de las Causas de los Santos. Durante el transcurso de la audiencia, dio la bienvenida al informe por el que se extiende a la Iglesia universal el culto litúrgico en honor del beato Pedro Fabro, sacerdote profeso de la Compañía de Jesús, al inscribirle en el catálogo de los santos.

À tarde de dezembro, o Papa Francisco recebeu em audiência privada o Cardeal Angelo Amato, S. D. B., prefeito da Congregação para as Causas dos Santos. Durante o curso da audiência, saudou o relatório, que se estende à Igreja universal culto litúrgico em honra do Beato Pedro Fabro, sacerdote professo da Companhia de Jesus, para se inscrever no catálogo dos santos.

3

Um modelo de vida e de sacerdócio

O Papa Francisco, em uma entrevista com várias publicações da Companhia de Jesus, ele referir-se ao Pedro Fabro como um dos jesuítas que mais lhe impressionou e que constituem para ele um verdadeiro modelo de vida. O Papa destaca de Fabro “o diálogo com todos, ainda com os mais distantes e com adversários; sua piedade simples, alguns provavelmente ingênuo, sua disponibilidade imediata, seu atento discernimento interior, sendo um homem de grandes e fortes decisões que tinham de ser compatível com o doce. “

2

Seu testemunho é um exemplo de sacerdócio hoje, o sacerdote não é oficial, a menos pastor, como recentemente pediu ao papa Francisco: Pastor a serviço das pessoas; capaz de encontrar Deus em todas as coisas; e capaz de proximidade e compreensão para todos os povos, especialmente aqueles que sofrem.

 

Fonte: Prensa Jesuitas e Curia Jesuita